segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Mestre Bel lança livro sobre poeta negro


Aloísio Resende, poeta dos candomblés: histórias das populações negras em Feira de Santana/Ba, é o título do livro organizado pelo mestre Bel e será lançado no dia 17 de novembro como parte da programação do I Seminário Internacional de Relações Raciais na Amazônia. O livro é constituído de alguns ensaios sobre a história de um poeta negro que viveu no interior da Bahia na década de 1930 e se utilizava da literatura para defender os candomblés baianos. O livro conta ainda com o prefácio da profª Drª Celeste Pinto, docente da UFPA/Cametá. Estejam tod@s convidad@s para este lançamento.

MALUNGO apoia Seminário Internacional sobre Relações Raciais na Amazônia



O Malungo Centro de Capoeira Angola CONVIDA ao tempo que informa à comunidade capoeirística que está apoiando o I Seminário de Relações Raciais na Amazônia e o III Encontra da Consciência Negra da UFPA. A natureza destes eventos corresponde a agenda de interesse do malungo, a saber: as questões que envolvem a história das culturas negras no Brasil. Para o Malungo, a Capoeira é o portal de entrada para entender a nossa história, mas devemos está atentos a outras experiências vivenciadas pela população negras no Brasil. Na programação consta a participação dos malungos Augusto Leal como palestrante e organizador e o Mestre Bel com uma bela oficina de capoeira angola e responsável pela Coferência de Encerramento. Confira a baixo toda a programação:


I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE RELAÇÕES RACIAIS NA AMAZÔNIA/III SEMANA
DA CONSCIÊNCIA NEGRA

PROGRAMAÇÃO: CONFERÊNCIAS, MESAS-REDONDAS, OFICINAS E HOMENAGENS
Programação dos Eventos:

Dia 16/11/2011 – Quarta Feira – Início dos Eventos nas Vilas de Juaba & Carapajó
8hs às 9hs – Abertura do Evento
9hs às 12hs – Oficinas e Mini-cursos
14hs às 18hs – Amostra de filmes

Dia 17/11/2011 – Quinta Feira – Início do Evento no CUNTINS
8hs às 12hs – Credenciamento
9hs às 12hs – Amostra de Filmes (professores Ivo Silva, Jose Junior e
Elias S. Diniz)
15hs às 17hs – Abertura do evento:
Prof. Dr. Gilmar Pereira da Silva;
Prof. Msc. Doriedson Rodrigues;
Profª. Drª. Benedita Celeste de Moraes Pinto;
Representante de docentes;
Representantes de Remanescentes de Quilombolas;
Representantes de Movimentos Sociais;

17hs às 19hs – Conferência de abertura: O CORAÇÃO DA ÁFRICA E A ÁFRICA
DO MEU CORAÇÃO: O DIÁLOGO DA IDENTIDADE.
CONFERENCISTA: Prof. Dr. Robert L. Adams Jr. (King Center – Atlanta/Geórgia)
MEDIADORA: Profª. Drª. Vanicleia Silva Santos (UFMG)
19hs às 21hs – Mesa-Redonda: EDUCAÇÃO, LINGUAGEM E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
PALESTRANTES: Prof. Msc. Doriedson Rodrigues (UFPA/Cametá); Profª.
Drª. Regina Célia Cruz (UFPA/Belém); Profª Drª. Leopoldina Maria
Araujo (UFPA/Belém); Prof. Dr. Gilmar Pereira da Silva (UFPA/Cametá);
Prof. Dr. José Pedro Garcia Oliveira (UFPA/Cametá)
21hs às 22h - LANÇAMENTO DE LIVROS & ATIVIDADE CULTURAL

Dia 18/11/2011 – Sexta Feira
8hs às 12hs – Oficinas e Mini-cursos
15hs às 16:50hs – Grupos de Trabalho
16:50hs às 17:20h - Intervalo
17:20hs às 19hs - Mesa-Redonda: HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA
PALESTRANTES: Drª. Profª Wilma Aparecida de Pinho (UFPA-Altamira);
Prof. Msc.José do E. Dias Junior (UFPA/Cametá); Profª. Msc. Decleoma
Lobato Pereira (AAFCP-AP); Prof. Haroldo Barros (NTC)
19hs - ATIVIDADE CULTURAL:

Dia 19/11/2011 – Sábado
8hs às 12hs – Mini-cursos
15hs às 16:50hs – Mesa-Redonda: EXPERIÊNCIAS, SABERES E IDENTIDADES
AFRO-TOCANTINA
PALESTRANTES: Mestrando Paulo Cametá (Capoeira Regional); Profª.
Cecilia Tavares (Bambaê do Rosário/Juaba); Dmitryus Braga Pompeu
(SECULTD/Cametá), Profª. Katiuscia de Paula Cabral Vieira (UFPA);
Prof. Wilson Pereira Costa (UFPA); Giovanildo Machado Rodrigues
(Povoação de Tomásia)
16:50hs às 17:20hs - Intervalo
17:20hs às 19hs - Mesa-Redonda: ÁFRICA, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA
PALESTRANTES: Profª. Drª. Vanicleia Silva Santos (UFMG); Profª. Msc.
Maria Roseane Corrêa Pinto Lima (UFPA/Bragança); Prof. Dr.Robert L.
Adams Jr. (King Center – Atlanta/Geórgia)
19hs às 21hs – Conferência de Encerramento: POPULAÇÕES NEGRAS:
EXPERIÊNCIAS E HISTORIOGRAFIA PARA ALÉM DAS FRONTEIRAS
CONFERENCISTA: Prof. Dr. Josivaldo Pires (UNEB)
MEDIADOR: Prof. Luiz Augusto Leal (UFPA/Cametá)
21hs - ATIVIDADE CULTURAL

GRUPOS DE TRABALHO

GT História e Culturas Afro-brasileiras (Coordenação: Prof. Dr. Carlos
Leandro Esteves & Prof. Msc. José do E. Dias Junior)
GT Literatura, memória e linguagem (Coordenação Prof. Mcs. Doriedson
Rodrigues; Profª. MSC. Ivone dos Santos Veloso – UFPA/Cametá)
GT Educação e Relações Raciais (Coordenação: Profª. Drª. Wilma de
Aparecida de Pinho – UFPA/Altamira)
GT Gênero, Cultura e Religiosidade (Coordenação: Profª. MSc. Valdete
Leal – UFPA/Cametá ou Profª. Gilcilene Dias da Costa –UFPA/Cametá)

OFICINAS:

Oficina Capoeira Angola (Mestre Bel – Malungo Centro de Capoeira Angola)
Oficina Capoeira Regional (Mestrando Paulo Cametá – Associação de
Capoeira Senzala)
Oficina Samba de Cacete e Banguê (Prof. Roble Tenório Moraes e Adriele
de Paula Silva de Moraes)
Oficina Jogos Infantis Africanos e Afro-Brasileiros (Prof.ª MSC.
Débora Alfaia e Prof. Claudio Lopes)


HOMENAGENS DOS EVENTOS:
Professor, escritor, pesquisador e historiador Vicente Salles
Componentes do Grupo Cultural Marierrê-Arrá da Vila de Carapajó

INSCRIÇÕES E PRAZOS PARA PARTICIPAÇÃO
INSCRIÇÕES:
AS INSCRIÇÕES PODEM SER REALIZADAS NA FACULDADE DE HISTÓRIA DO CAMPUS
UNIVERSITÁRIO DO TOCANTINS/UFPA-CAMETÁ
Trav. Padre Antônio Franco, n.º 2617, bairro da Matinha, Cametá-PA
Horários: das 8h às 12h e das 16h às 20h
Ou através do:
E-mail: consciencianegra.cameta@gmail.com
Blog: www.historiaemcampo.blogspot.com

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Título de Doutor para o capoeira Augusto Leal!

Caros malungos companheiros de viagem, nosso irmão de comunidade, Treinel Augusto Leal, está preste a adquirir o título de Doutor em Estudos Étnicos e Africanos pela UFBA!
Conheci Augusto em 1999 quando desenvolvia seus estudos de Mestrado em História Social na UFBA (Salvador). Ele me aparece na roda de capoeira para me fazer uma rápida visita a convite de uma amiga. As coisas não foram como ele imaginava. No mesmo ano me convidou para visita-lo no Pará, onde eu conheci os irmãos e irmãs que hoje fazem parte do Malungo centro de Capoeira Angola. De lá para cá compartilhamos os projeto de capoeira e da própria universidade, pois esta deve ter algum significado político na nossa trajetória de capoeiragem. A pesquisa sobre as populações negras é um desses elementos políticos que nos apropriamos para dar conta inclusive das nossas ações no mundo da capoeiragem. Desta forma, este dia que o Treinel Augusto Leal torna-se o Doutor Luiz Augusto Pinheiro Leal, será um dia de celebração para o Malungo e seus companheiros.
A tese, que será defendida no dia 28 de novembro, no CEAO/UFBA, intitula-se: “NOSSOS INTELECTUAIS E OS CHEFES DE MANDINGA”: repressão, engajamento e liberdade de culto na Amazônia (1937-1951). Trata da mobilização dos intelectuais em Belém de 1938 e a repercussão desse envolvimento com a temática negra em suas obras e futuras carreiras. Em especial destaca os trabalhos de Dalcídio Jurandir, Nunes Pereira, Bruno de Menezes e Levi Hall de Moura.
O Malungo aguarda a tod@s para presenciar este feito!!!
Mestre Bel

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Vicente Sales, autor de "O negro no Pará", recebe título de Doutor Honoris Causa




O Malungo Centro de Capoeira Angola, parabeniza o professor Vicente Sale pelo reconhecimento oficial de sua obra, a qual inclui importantes estudos sobre a cultura afro-amazônica. O professor Vicente Sales é um dos responsáveis pela introdução dos estudos da capoeira no Para tendo influenciado o treineu Algusto Leal em seus trabalho de pesquisa especialmente o que deu oriegem ao livro "A política da capoeiragem" (Edufba, 2008), bibliografia de consulta obrigatória para as atuais pesquisa sobre o tema no Brasil. Salve então ao mestre Vicente Sales. Segue a nota extraída do site da UFPA:

Um dos intelectuais mais notáveis do Estado, Vicente Juarimbu Salles, recebeu da Universidade Federal do Pará (UFPA) a outorga do título Doutor Honoris Causa, o mais alto dos graus universitários, normalmente concedido a personalidades que tenham se distinguido pelo saber ou pela atuação em prol das Artes, das Ciências, da Filosofia, das Letras ou do melhor entendimento entre os povos. A concessão foi indicada pelo reitor da UFPA, Carlos Edilson Maneschy – para quem a obra de Vicente Salles é “um legado de qualidade acadêmica e cultural de inegável valor.”

Aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário (Consun), a outorga foi votada em reunião extraordinária, nesta segunda-feira, 19, a qual contou com mais de 60 conselheiros presentes, de um total de 98 membros. A votação seguiu o Regimento Geral da Universidade, o qual prevê que a concessão deste grau deve ter o voto favorável de, pelo menos, dois terços (2/3) dos membros do colegiado competente.

O parecer nº20/2011 da Câmara de Legislação e Normas (CLN), que se encontrava em fase de apresentação, teve dispensa de interstício para ser julgado de imediato, a tempo de que a outorga do título possa homenagear Vicente Salles em concomitância com as comemorações pelos seus 80 anos de vida, os quais serão completados no próximo dia 27 de novembro. “Essa será, sem dúvida, uma ocasião propícia para que a UFPA possa reconhecer os méritos universais de sua obra”, afirmou o reitor Carlos Maneschy.

Coroamento de uma trajetória de vida - Em entrevista concedida por telefone, Vicente Salles, que atualmente reside em Brasília, demonstrou-se sensibilizado. “Aos 80 anos de idade, estou pronto para receber muita coisa, as melhores e, até mesmo, as piores notícias. Essa homenagem a mim concedida pela UFPA, certamente, é uma boa notícia que recebo como o coroamento de toda uma trajetória de vida. Um título grandioso que chega a um caboclo do interior e que recebo com muita gratidão”, disse o pesquisador, após ser informado pelo reitor Carlos Maneschy acerca da honraria.

Vicente Salles é natural da vila de Caripi, município de Igarapé-Açu, interior do Pará, donde saiu cedo para estudar na capital, Belém. Formou-se como Bacharel em Ciências Sociais pela antiga Universidade do Brasil, atualmente Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Aos 23 anos, começou um trabalho pioneiro de pesquisa do Carimbó, ritmo musical popular próprio da cultura paraense. E não apenas. Sua extensa obra dedica-se, de modo geral, à cultura popular e à música, e, de modo específico, à história do Pará, ao povo local, à literatura de autores paraenses: uma produção que soma mais de 25 livros e 50 microedições, entre os quais, estão títulos como: O negro no Pará, O memorial da Cabanagem e Épocas do Teatro do Grão Pará.

Títulos - Membro da Academia Brasileira de Música, seu catálogo de obras, publicado em 2009, relaciona 661 títulos, entre bibliografia básica e bibliografia geral. De acordo com a esposa do pesquisador, Marena Salles, grande parte de sua obra, no entanto, ainda permanece inédita. “Nenhuma pesquisa sobre música e história do Pará, ou sobre as áreas em que é referência, pode ser realizada, hoje, sem mencioná-lo”, afirmou.

Vicente Salles é, também, membro da Academia Nacional de Música; do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; da Comissão Nacional do Folclore, entre outros órgãos e entidades. Durante toda sua vida, recebeu diversos prêmios e o título Doutor Honoris Causa da Universidade da Amazônia (Unama), em 2002.

Museu da UFPA - Na UFPA, Vicente Salles foi diretor do Museu Universitário (MUFPA) por dois anos, tempo que utilizou para organizar seu acervo de partituras manuscritas e impressas, discos, fitas, imagens, livros, folhetos e recortes de jornais. Foi também no MUFPA que implantou projetos de pesquisa sobre a cultura popular do cantochão paraense, bandas de música e edição de partituras musicais em computador.

Atualmente, o Museu da UFPA abriga o Acervo Vicente Salles, no qual está a coleção completa das microedições do pesquisador (Leia no Jornal Beira do Rio a reportagem Projeto recupera Coleção Vicente Salles).

Justiça a um intelectual ímpar - Durante a reunião do Consun que votou a concessão do título, diversos professores da UFPA manifestaram-se sobre a colaboração inestimável de Vicente Salles para a produção de conhecimento sobre o Pará e a Amazônia. Para o relator do processo e professor do Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ) da UFPA, Antônio José Mattos, o título Honoris Causa “faz justiça a um intelectual ímpar”, que tem "a obra de um gigante”. Da mesma forma, o pró-reitor de Extensão, Fernando Arthur Neves, disse que “o título concedido engrandece não apenas o professor Vicente Salles, mas também a própria UFPA.”

O diretor do Instituto de Ciências da Arte (ICA) da UFPA, Celson Gomes, destacou a importância do pesquisador para essa área do conhecimento, especialmente para a área de Música. “Não por acaso, Vicente Salles foi o homenageado do V Encontro Nacional da Associação Brasileira de Etnomusicologia, realizado em Belém, em maio de 2011”, lembrou.

Interdisciplinaridade - Já o vice-reitor Horácio Schneider destacou, por exemplo, a importância da obra de Vicente Salles para a Biologia, mais especificamente para os estudos de antropogenética. “O livro O Negro no Pará é uma obra de referência, que pavimentou muitas das pesquisas do Grupo de Estudos em Genética de Populações Humanas, do qual eu faço parte”, contou. O diretor adjunto do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da UFPA, professor Nelson Souza Júnior, afirmou que “Vicente Salles é um criador no sentido pleno da palavra, o qual consolidou a área de estudos amazônicos e gerou novas possibilidades de pesquisa.”

A cerimônia de entrega do título Doutor Honoris Causa a Vicente Salles ainda será agendada em data próxima. A expectativa é que o pesquisador possa vir a Belém para receber a homenagem.

O texto deste post foi extraído de: www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php

terça-feira, 30 de agosto de 2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Macaco Beleza, o livro que sempre esperamos!



Caros Malungos, nosso amigo Frede Abreu entrou em cena novamente. Desta vez nos presenteou com o livro: Mcacao Beleza e o massacre do Tabuão!!!
Frederico José de Abreu, um dos mais conceituados e importante pesquisador/historiador da cultura Afro Brasileira em especial da nossa capoeiragem, autor de "O Barracão do mestre Waldemar" e "Capoeiras: Bahia, século XIX", duas das obras mais conhecidas da literatura sobre a capoeira, acaba de lançar um novo livro intitulado: Macaco Beleza e o massacre do Tabuão. Com certeza uma ótima dica de leitura e presença obrigatória nas prateleiras das bibliotecas e acervos de todo capoeirista. Segue o release enviado pelo autor
Livro Macaco Beleza e o massacre do Tabuão Manuel Benício dos Passos, vulgo Macaco Beleza, foi um capoeirista baiano que se destacou no final do século XIX, tornando-se uma figura importante, principalmente por ter se intrometido e provocado vários conflitos de rua, que se deram em Salvador, entre monarquistas e republicanos, às vesperas da Proclamação da República.
Tipo de rua, abolicionista militante, monarquista convicto, Macaco Beleza teve contatos com Rui Barbosa, Conde d’Eu e outros personagens importantes da história do Brasil da época. Ele defendeu de corpo e alma a monarquia e tornou-se um dedicado admirador da princesa Isabel. E, por isso, foi um dos principais membros da Guarda Negra baiana e líder dessa instituição para os conflitos de rua.
Como membro da Guarda Negra organizou o Massacre do Tabuão, quando sua turma surpreendeu os republicanos em passeata, com emboscadas, tendo na ocasião tentado assassinar Silva Jardim, famoso tribuno republicano em campanha política na Bahia, contra a Monarquia.
Os acontecimentos relacionados com esse episódio - O Massacre do Tabuão - revelam muitos aspectos que envolviam a vida dos capoeiras de então, como as arruaças por eles provocados, a lábia e a formas orais de provocação dos conflitos; ligações com o poder e outros aspectos importantes para se compreender a cultura da capoeira da época e dos nossos dias.
Este livro dá continuidade à série Capoeiras, Bahia, século XIX, sendo dessa o segundo volume publicado. O autor, Frederico José de Abreu, é autor de outros livros como Bimba é bamba, o Barracão do mestre Waldemar, Capoeiras, Bahia, século XIX.

Para adquirir o livro:
Emails: fredeabreu@gamil.com / barabolaroye@yahoo.com.br
Tel: (71) 3266-6092 (pela tarde e noite) / (71) 3136-6709 (pela manhã)

domingo, 24 de julho de 2011

Capoeira não tem férias!

O Malungo Centro de Capoeira Angola, informa aos seus companheiros de viagem, parceiros na labuta da capoeiragem, que o nosso veículo de comunicação com a comunidade da capoeira e simpatizantes voltará, a partir de hoje, a postar suas notícias e informes do mundo da capoeira e práticas culturais correlatas com a frequência de antes. Aguardem as próximas notícias sobre o nosso mágico e maravilhoso universo da capoeiragem e outras artes das populações negras no Brasil.

Axé!

Mestre Bel

terça-feira, 31 de maio de 2011

Cor da cultura disponibiliza livros pela Net

O Malungo recebeu a postagem abaixo e partilha com a comunidade interessada. Leiam e avaliem a proposta.
Abraço,
Malungo Centro de Capoeira Angola.

"Pacote didático A Cor da Cultura
Para facilitar o acesso da população brasileira ao segundo pacote pedagógico A Cor da Cultura, a Fundação Cultural Palmares (FCP) disponibiliza o material para download em seu portal. O pacote é mais uma medida prática adotada a partir da aprovação da Lei 10.639, que torna obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares do País.
Os interessados também podem baixar o material diretamente do site oficial do projeto (http://www.acordacultura.org.br/) do projeto. O Ministério da Educação (MEC) disponibilizará o material físico aos municípios, porém, as escolas devem se cadastrar também via o citado portal. A solicitação ao MEC deve ser feita pelas secretarias de educação, incluindo o projeto em seu plano de ação de 2012."

terça-feira, 12 de abril de 2011

Artista plástico baiano homenageia o Malungo em exposição inédita!

O artista plástico Gabriel Ferreira, apresenta para o público de Feira de Santana, maior cidade do interior da Bahia, sua mais nova exposição com o tema da capoeira, sendo que desta vez explora também a religião dos orixás. O que nos deixa mais contentes ainda é que o renomado artista presta homenagem ao Malungo Centro de Capoeira Angola:

"A temática exposição BRINQUEDO DOS ANGOLAS E ORIXÁS: ALOISIO RESENDE E BEL PIRES entrelaça duas manifestações na cultura negra que me aprazem muito: a Capoeira de Angola e o Candomblé. Para colar estas duas manifestações, contei com a ajuda do trabalho de pesquisa historiográfica do mestre de capoeira e professor Bel Pires, o qual se engraçou com a poesia do Aloisio Resende (poeta feirense que viveu entre 1900 e 1941), assim como, contei com admiração pessoal que tenho pelo Candomblé. Como o texto poético embala muitas das minhas ilustrações, facinei-me com a possibilidade de colocar tudo num mesmo prato de barro e despachar numa Galeria. Assim, segui inspirado pela poesia do Aloisio, chamado de Poeta dos Candomblés, pelo Bel Pires em alguns dos seus artigos científicos, para poder apresentar ao público mais uma das minhas aventuras pictóricas lastreadas em elementos textuais. A mostra não é um apanhado geral a respeito da capoeiragem e do candomblé, não se trata de uma reedição acerca dos temas e sim uma abordagem bem particular através de pinturas com um discurso que versa, tece e aproxima as duas linguagens. O Grupo Malungo, sob a coordenação do mestre Bel Pires, é grande incentivador do meu trabalho com a capoeiragem, pois, para além de emprestar o nome (Brinquedo dos Angolas), disponibiliza acervo fotográfico e bibliográfico para subsidiar a minha produção".

terça-feira, 5 de abril de 2011

Mestre Pastinha: 05 de abril de 1889 nascia um baluarte da Capoeira Angola

Mestre Pastinha dispensa apresentações. Nasceu em Salvador em 05 de abril de 1889 e se tornou uma das mais importantes referências das culturas negras no Brasil. Dedicou praticamente toda a sua vida à capoeira angola, manifestação cultural de matriz africana, e se despediu de nós em 13 de novembro de 1981. Deixou com uma de suas mais importantes heranças a filosofia do brinquedo dos angolas, sinônimo da própria "Capoeira Angola". O Malungo Centro de Capoeira Angola presta aqui homenagens ao mestre Pastinha pelos seus 122 anos de nascimento.
Axé velho mestre!!!

terça-feira, 8 de março de 2011

Mulheres, irmãs de travessia

As sociedades, especialmente as ocidentais, foram constituídas sobre valores masculinizados, denotando em muitas situações a cultura machista destas sociedades. Isto não foi diferente no Brasil. O adágio “cadeia foi feita para homem” é um exemplo disto. Essa foi uma das muitas idéias que moveram o mestre Bel e o treinel Augusto Leal a escreverem sobre mulheres capoeiras no livro Capoeira, identidade e gênero. Neste trabalho revelaram histórias de mulheres pobres e marginais, muitas das quais habilidosas capoeiras. Mulheres estas que nem sempre são lembradas nas campanhas midiáticas em torno do 8 de março, dia internacional das mulheres. São para essas mulheres que dedicamos essas linhas, mulheres malungas, irmãs de travessia.
Maria, Joana, Alice, Francisca, Tônha, Judite são apenas alguns dos nomes de mulheres simples da sociedade brasileira que não são contempladas nas colunas Vips dos jornais da cidade, nos programas de TV, a não ser quando se tratam de problemas sociais como desastres ecológicos e criminalidade. Ou ainda das propagandas de campanha política. Mas essas mulheres existem em outros espaços da vida social, são elas verdureiras, artesãs, merendeiras, mães, professoras, amigas, irmãs, vizinhas, capoeiras, etc, etc, etc.
As mulheres pobres e marginalizadas de sociedades tem uma história, ou melhor, outras histórias, pois são outras mulheres, as quais arrancam nessas breves linhas incansáveis aplausos em forma de homenagem pelo seu dia.
Ficam aqui as mais sinceras felicitações a essas mulheres pelo seu dia!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Griots, capoeiras e sambadores

No último de 30/01, ocorreu em Feira de Santana, por iniciativa do Instituto Odu Odara (Ponto de Cultura/MinC), o I Encontro de Mestres dos Saberes de Tradição Oral. Neste "ajuntamento de pretos" reuniram-se capoeiras, griots, sambadores e representantes de comunidades de terreiros de candomblés. Eram agentes culturais e religiosos de vários cantos da Bahia que se reuniram em Feira de Santana para trocar experiências e discutir política cultural. Foi uma festa dos saberes de tradição oral. Jovens e senhores de avançada idade no mesmo espaço brincando, dançando e cantando os saberes afro-brasileiros. O Odu Odara é um importante parceiro do Malungo e comunga com as nossas idéias de preservação, fomento e difusão dos saberes afro-brasileiros a exemplo da Capoeira Angola, nossa principal bandeira.


Velho griot de uma comunidade negra do município de São Gonçalo dos Campos-BA



Vejam mais fotos do evento no site do Odu Odara: http://www.institutooduodara.blogspot.com/

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Mestres dos Saberes de Tradição Oral

O Instituto Odu Odara, ONG que atua na área de Cultura e Educação, na região de Feira de Santana, irá realizar no dia 30 de janeiro o "I Encontro de Mestres dos Saberes de Tradição Oral", a ocorrer em sua sede no município de Feira de Santana-BA. Por reconhecer a importancia deste evento e respeitar a atuação desta instituição junto à comunidade da capoeira, o Malungo recomenda este prestimoso evento. Segue o convite:

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Berimbau mandou te chamar, Kiriku e outros livros infanto-juvenis afro-brasileiros

Site disponibiliza literatura infanto-juvenil afro-brasileira. O Malungo parabeniza essa iniciativa e colabora com a divulgação dessa ação, mais do que plausível. Histórias infantis com abordagens africanas e afro-brasileiras, representam um instrumento de reeducação para negros e não-negros, importante para combatermos as mazelas do racismo e dos diferentes preconceitos que atingem sociedades constituídas, historicamente, no movimento da diáspora africana. Este é o caso da sociedade brasileira. Por isto, o Malungo apoia esta iniciativa.
Dentre os vários livros disponíveis encontram-se textos interessantes como: O Berimbau mandou te chamar; Kiriku; A linda garota de Angola; Dudu Calunga; Uma lenda africana e outros. Segue o link para acessar as publicações.

http://picasaweb.google.com/erikavecci